Pular para o conteúdo principal

O incrível caso do helicóptero desaparecido em São Pedro d'Aldeia

Esse incrível caso me foi contado domingo passado pelo meu pai durante uma caminhada na areia. Parece que ele inspirou um filme, mas não consegui informações sobre isso.

Segundo meu pai, e eu não me lembro disso, era um fato muito comentado em São Pedro d'Aldeia, interior do RJ, na época em que começamos a morar lá, em 1977. Aconteceu antes de chegarmos à cidade

Na Base Naval de SPA, onde meu pai trabalhou entre 1977 e 1981, havia um menininho que gostava muito de aviões e helicópteros e gostava de ir lá para ver os mesmos de perto. Pouco antes, havia a notícia de um desaparecimento de um helicóptero pertencente a base.

Os oficiais que administram aquele setor da base não queriam a presença do menino naquele local, que exigia muita segurança. Mas estranhamente o menino falou que alguém tinha deixado ele ficar lá. Os oficiais estranharam, mas mesmo assim, deixaram o menino ficar lá.

O menino era filho de pescador e um dia o pai dele ficou a deriva no mar por causa de uma grande tempestade. Aí veio um grande helicóptero que salvou o menino. Esse helicóptero deixou uma peça como vestígio.

O menino ficou feliz e alardeou que o pai fora salvo por um helicóptero. Os oficiais estranharam, pois não tinha saído nenhuma ordem ou pedido para a saída de algum helicóptero para uma missão naquele dia. O garoto mostrou a peça que foi analisada. Aí veio a "bomba".

A peça era do helicóptero desaparecido e o piloto responsável - presumidamente morto - era quem tinha autorizado o menino a ficar nos ambientes da base. E aparecia frequentemente para o garoto a quem dava conselhos. Detalhe: como espírito, pois não estava mais vivo.

O menino acabou seguindo a carreira como piloto militar e continuou tendo o falecido piloto como uma espécie de anjo protetor. É um interessante caso que prova que estamos bem aparados pelos espíritos de boa índole.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Vai ficar complicado para Divaldo Franco após o caso da farinata de João Dória

Embora todos estão com um cuidado detalhado para tentar proteger Divaldo Franco de sua reputação após ceder o evento que lidera, o "Você e a Paz" para o lançamento do estranho alimento conhecido como "farinata", não há um argumento lógico que preserve toda a mitologia construída em torno do líder "espírita" e suposto médium.
Analisamos algumas hipóeteses que poderiam servir de justificativa para alguém considerado como uma divindade viva, com embutidas qualidades de sabedoria perfeita e bondade infinita, embora a prática tenha provado que tais qualidades senão inexistentes, residem no suposto médium de forma rudimentar.
Vamos imaginar algumas situações e verificaremos que em nenhuma delas Divaldo consegue salvar a sua reputação de "perfeição máxima", tendo se conformar com o prestígio de uma mera liderança que é simpática a seus seguidores.
1. Divaldo não conhecia João Dória e sua farinata: - Mito derrubado: o de paranormal conhecedor de tudo
Div…