Pular para o conteúdo principal

Mito da bondade máxima de Chico Xavier é apenas dogma religioso

Religiões são construídas através de dogmas. E o que são dogmas? São ideias que não são confirmadas mas que tem que ser aceitas para que uma liturgia possa ser respeitada e preservada.

E o "Espiritismo" brasileiro, como foi - erradamente - transformado em uma religião e consagrado como tal,  tratou logo de inventar suas teses para que pudessem ser assimiladas "na marra"pelos seus seguidores. Um deles é o da suposta perfeição de caráter de Chico Xavier, maior ídolo dos brasileiros que pensam que são espíritas.

Diz a crença que o médium de Uberaba é o "homem mais bondoso da Terra" e seu nome é frequentemente citado como exemplo máximo de bondade e de filantropia. Mas esse suposto axioma da bondade "perfeita" de Chico Xavier não passa de pura crendice. Até porque ele é considerado bom por todos e isso conforta, mas os mesmos defensores da tese não sabe porque, como e em quê, o médium representou essa bondade toda.

Na verdade, Xavier nunca foi assim tão bondoso. Uma amiga minha, sensata, que não segue o que os brasileiros chamam de "Espiritismo", disse que Xavier nunca foi bondoso e sim bonzinho. Tinha fala mansa, era aparentemente calmo e procurava ser cordial e simpático até com os seus algozes. Mas bem longe do que o mito da bondade perfeita pretende sugerir.

Resta para os defensores responder a essa pergunta: com base em quê, Chico Xavier foi definido assim como "bondade personificada"? Só se for com base na fé cega, na pura credulidade com base em boatos e lendas espalhados de boca em boca.

A bondade de Xavier foi insuficiente para transformar a sociedade brasileira. Se o mito atribuído fosse verdadeiro, os problemas do Brasil teriam acabado, não existiriam nem ricos e nem pobes, ois a renda seria melhor distribuída e todos os seus seguidores seriam altruístas e mais racionais. Mas o que vemos na prática é o contrário de tudo isso.

A sociedade brasileira só piora e isso lendo as frases inócuas de Xavier, com o lirismo de um poema, mas com a ineficácia de uma aula mal dada. Frases que pareciam ter sido copiadas de qualquer livro de auto-ajuda chinfrim. Auto-ajuda porque ajuda o próprio autor.

Xavier, além disso fez muito mal à sociedade brasileira, travando o desenvolvimento intelectual, necessário para a evolução espiritual, obsediou jovens mortos, fraudou materializações e psicografias, mentiu muito, enganou multidões, deturpou a doutrina e foi um entusiasta do masoquismo moral.

Parece que o mito da "bondade perfeita" do médium foi criado para abafar as acusações justas e charlatanismo. E esse abafamento infelizmente foi bem sucedido, pois apenas evangélicos e ateus conseguiram perceber as reais intenções de Xavier ao invadir o Espiritismo que não era seu (Xavier sempre foi católico e nunca deixou de ser). 

Lamentavelmente, a grande maioria dos brasileiros acredita no falso mito da bondade extrema de Chico Xavier, reagindo de forma tensa às mais leves críticas feitas ao médium. Mesmo que na prática a história da humanidade tenha mostrado muitos altruístas bem mais ativos que Chico Xavier, o médium de Uberaba ainda é o estereótipo perfeito do altruísta. 

Poucos sabem, mas a bondade deve ser prática. Deve eliminar problemas e estimular o intelecto e a vontade de se esforçar para alcançar a felicidade. Não existe bondade teórica: seus resultados devem se claros e trazer uma transformação social evidente onde problemas sejam vistos como algo a ser extinto e não suportado.

Portanto, chorem, se esperneiem, pulem e até urrem de raiva. O mito da bondade infinita de Chico Xavier e uma farsa porque não trouxe resultados. Aprisionou o Espiritismo em uma fé cega e estimulou a estagnação total das "orações em silêncio" que deixaram a sociedade brasileira nesta decadência que nos envergonha muito. E por isso que o Brasil está assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Adversários tradicionais e críticos recíprocos uns dos outros, "espíritas" e neo-pentecostais se unem na onda de ódio conservador

Um fenômeno interessante acontece no Brasil de hoje. Dois grupos religiosos conservadores, mas que se acostumaram a criticar um ao outro, resolveram se unir, sem assumir nem perceber, sob o mesmo ponto de vista equivocado nesta triste onda de ódio neo-conservador. Bom lembrar que ambos se consideram "do bem" e falam "em nome do amor".
Tanto os espíritas (de Allan Kardec), os "espíritas" (de Chico Xavier) e os neo-pentecostais e alguns evangélicos em geral, assumiram uma postura altamente preconceituosa contra pessoas que defendem ideais progressistas e uma maior justiça social. 
Não raramente agem de forma agressiva, lançam mão de calúnias e difamações e demonstram indispostos a qualquer foma de diálogo, acusando seus opositores sob o mais repugnante falso testemunho, provando que dependendo dos interesses, as lições de Jesus, mestre de ambas as tendências, podem ser literalmente jogadas no lixo.
Para legitimar sua agressividade ignorante, resultante da …