Pular para o conteúdo principal

Condenar o suicídio é muito fácil. Quero ver resolver o problema que o causaria e evitá-lo

Uma das coisas que nunca concordei, mesmo na minha fase de fé cega é a cruel reprovação que o "Espiritismo" dá ao suicídio. Ao invés de encarar o ato infeliz como uma atitude desesperada de quem tentou resolver algum problema grave e não conseguiu, os "espíritas" tratam como um crime hediondo e um ato de insubmissão ao velhinho de barba que eles chamam de "Deus".

É uma falta de respeito com os suicidas. O "Espiritismo" transformado no Brasil em mais uma seita de fé cega, como tantas outras, possui muitas contradições. Falam em bondade com insistência, mas não praticam a bondade que se esperaria deles. Desrespeitar o suicida é como um senhor que acorrenta o seu escravo e o obriga a viver acorrentado sem o direito de encerrar o seu sofrimento ou a sua vida infeliz.

Para os "espíritas" é muito fácil condenar o suicida. Não exige nenhum esforço em julgar e condenar equivocadamente alguém que faz o que não queremos que seja feito. O sofredor que se vire para viver com dor. E há um lado sádico que é bom lembrar bem, que reforça a incompreensão que os "espíritas" tem do suicida.

Apesar de associado a Allan Kardec, o "Espiritismo" brasileiro aproveitou quase nada da codificação original. Ela foi totalmente remodelada do Catolicismo Medieval, com algumas alterações e reforçada com o surgimento de um líder católico, Chico Xavier, que sistematizou e consagrou a forma igrejeira baseada no mais retrógrado Catolicismo de que nem os católicos querem saber mais. 

Xavier era entusiasta e difusor da medieval e cruel Teologia do Sofrimento, que defendia que o sofrimento em si (não a tentativa de sair dele) aceleraria a evolução humana. O que a lógica prova ser, além de impossível, exatamente o contrário. 

Fatos comprovam que a prisão em um sofrimento que nunca termina, acaba piorando a pessoa, estimulando o medo, o ódio, a violência, a loucura e a insensatez. Como isso pode significar a evolução? Se evolui desenvolvendo defeitos e eliminando qualidades? Como assim?

Com base na Teologia do Sofrimento, o "Espiritismo" brasileiro a adaptou e vive adiando a felicidade e o bem estar para a vida espiritual ou para reencarnações posteriores. Segundo a teologia, a felicidade nunca faz parte do presente. Se alguém diz que você será feliz amanhã e esse amanhã chega, o bem estar é adiado e será adiado quantas vezes for necessário para que a felicidade nunca chegue no momento presente. É uma teologia cruel, mas base do Catolicismo Medieval e do Catolicismo enrustido em que se transformou o "Espiritismo" brasileiro.

Não é surpresa nenhuma ver uma doutrina sádica condenar o suicídio, ao invés de se esforçar para procurar uma solução que faça o suicida em potencial desistir de se matar. Procurar soluções exige esforço, conversas longas, racionalidade profunda, abnegação de prazeres e convicções, além de nos obriga a negociar com pessoas que não estão a fim de negociar. É trabalhoso. 

Portanto, para preguiçosos intelectuais (apesar de condenar a preguiça, religiosos são preguiçosos intelectuais), é mais cômodo apontar os dedos e condenar o sofredor para que ele escolha entre a punição da morte suicida e o sofrimento da vida material, colocando-o num beco sem saída que rapidamente se converte em um terrível pesadelo.

As religiões aos poucos vão tirando sua capa de falsa bondade. A bondade não é a missão de quem trabalha com fantasias e contradições. o "Espiritismo" brasileiro, convertido em uma igreja igual as outras, segue o mesmo caminho das fantasias e contradições, perdendo a sua credibilidade e nunca servindo de horizonte para os que sofrem. 

Pois sofredores, ao contar com esse "Espiritismo" de araque, verão seu direito a felicidade ser adiado muitas vezes, para descobrir depois que a doutrina é uma filosofia sádica que acredita que gemidos de dores são o canto da prosperidade. E dá para evitar o suicídio desta maneira? Não dá!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Adversários tradicionais e críticos recíprocos uns dos outros, "espíritas" e neo-pentecostais se unem na onda de ódio conservador

Um fenômeno interessante acontece no Brasil de hoje. Dois grupos religiosos conservadores, mas que se acostumaram a criticar um ao outro, resolveram se unir, sem assumir nem perceber, sob o mesmo ponto de vista equivocado nesta triste onda de ódio neo-conservador. Bom lembrar que ambos se consideram "do bem" e falam "em nome do amor".
Tanto os espíritas (de Allan Kardec), os "espíritas" (de Chico Xavier) e os neo-pentecostais e alguns evangélicos em geral, assumiram uma postura altamente preconceituosa contra pessoas que defendem ideais progressistas e uma maior justiça social. 
Não raramente agem de forma agressiva, lançam mão de calúnias e difamações e demonstram indispostos a qualquer foma de diálogo, acusando seus opositores sob o mais repugnante falso testemunho, provando que dependendo dos interesses, as lições de Jesus, mestre de ambas as tendências, podem ser literalmente jogadas no lixo.
Para legitimar sua agressividade ignorante, resultante da …