Pular para o conteúdo principal

Não existe vários Espiritismos. Espiritismo é um só. O de Kardec

Como o fortalecimento do Espiritolicismo, forma deturpada do Espiritismo que é bem forte no Brasil,  aparece uma discussão entre os vários seguidores da doutrina: existe vários tipos de Espiritismo?

Enquanto os seguidores fiéis a Kardec acusam os seguidores de Chico Xavier de místicos, os seguidores do médium mineiro acusam os seguidores que querem retomar as origens kardecianas de ortodoxos. A partir disso surge a discussão sobre a possibilidade do Espiritismo ter várias vertentes.

Jorge Murta até fez uma interessante postagem a respeito, que pode ser  lida aqui. Mas mesmo com uma divisão muito bem explicada, afirmamos que a sugestão de Murta é somente uma hipótese. Espiritismo, na verdade só e somente o de Kardec.

Kardec, além de ter criado o termo que deu o nome a doutrina, estabeleceu um conjunto de teses confirmadas após muito estudo de material pesquisado através de muitas visitas a casas de médiuns, que eram somente tratados como objeto de estudo (não como líderes ou gurus como acontece no Brasil), muitas vezes tendo que viajar pagando do próprio bolso.

O que acontece no Brasil é uma má compreensão da doutrina, responsabilidade dos integrantes da FEB, católicos praticantes que achavam interessante a comunicação com os mortos e a defesa da reencarnação. Essa gororoba doutrinária resultante da indecisão entre largar ou não o Catolicismo para entrar na Doutrina Espírita é que tem favorecido a inserção de muitos enxertos que acabaram por confundir a todos, transformando aquilo que deveria ser ciência numa igreja tão dogmática quanto as outras.

E esse conjunto de enxertos católicos e místicos não pode ser considerado Espiritismo. Espiritismo só o que está contido nas obras de Kardec e o que se relacionar a estas obras. O resto é outra doutrina, outra religião, outra coisa estranha.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Vai ficar complicado para Divaldo Franco após o caso da farinata de João Dória

Embora todos estão com um cuidado detalhado para tentar proteger Divaldo Franco de sua reputação após ceder o evento que lidera, o "Você e a Paz" para o lançamento do estranho alimento conhecido como "farinata", não há um argumento lógico que preserve toda a mitologia construída em torno do líder "espírita" e suposto médium.
Analisamos algumas hipóeteses que poderiam servir de justificativa para alguém considerado como uma divindade viva, com embutidas qualidades de sabedoria perfeita e bondade infinita, embora a prática tenha provado que tais qualidades senão inexistentes, residem no suposto médium de forma rudimentar.
Vamos imaginar algumas situações e verificaremos que em nenhuma delas Divaldo consegue salvar a sua reputação de "perfeição máxima", tendo se conformar com o prestígio de uma mera liderança que é simpática a seus seguidores.
1. Divaldo não conhecia João Dória e sua farinata: - Mito derrubado: o de paranormal conhecedor de tudo
Div…