Pular para o conteúdo principal

Festa na casa

Alan tinha uma bela casa. nem grande, nem pequena, mas de cômodos muito bem divididos. Normalmente era usada também para trabalho e estudo de Alan e seus colegas. Um dia Alan teve que viajar e deixou a casa, avisando aos vizinhos para observarem se houvesse algo estranho. Mesmo assim, os vizinhos acabaram não cuidando da casa, pois tinham outros afazeres em seus cotidianos.

Nisso, um jovem de nome Adolfo anda pela rua e sente que a casa era excelente para uma festa. Decide arrombá-la e chama não apenas seus  amigos, mas autoriza que estes também trouxessem seus amigos, mesmo que Alan não os conhecesse.

A festa foi um sucesso. Música alta, bebidas fartamente distribuídas que nunca acabavam. Uma beleza. Mas esta festa que nunca terminava acabou danificando a casa. Mas ninguém ligava, pois além da casa não ser deles, a festa estava boa demais para que alguém se preocupasse com detalhes.

Um dia, Adolfo teve que ir embora, mas a festa não podia terminar. Mesmo sem um organizador, a festa continuou, com crescente sucesso, proporcional ao ritmo de destruição da casa, que estava suja e cheia de avarias.

Nisso chega outro jovem, Francisco, que decide entrar e após perceber que a festa era boa, resolveu organizar. Mas decidiu que a festa seria ainda melhor. Resolveu incrementá-la. Chamou músicos de renome,  instalou luzes e efeitos visuais, chamou mais amigos, amigos de amigos e amigos de amigos de amigos e até desconhecidos. Abasteceu com muito mais comida e mais bebida ainda. A festa foi ainda melhor. Quem passava pela rua, entrava na casa e ficava. E como na festa anterior, quanto mais sucesso fazia, mais danos apareciam. Mas ninguém se importava, a festa era de arromba. Metaforicamente e literalmente falando.

Foi uma festa duradoura e inesquecível. Melhor do que todas as outras. Até hoje todos se lembram dela, após a festa não ter acabado. Quando Francisco saiu, outro jovem, Franco, continuou. Não foi tão badalada quanto a de Francisco, mas fez sucesso. Há anos, Alan não voltou para a casa. Ao voltar para o bairro, encontrou a festa em andamento e sua casa tão destruída que desistiu de entrar em sua própria casa, transformada em um antro festivo, e resolveu retomar tristemente a sua viagem, para nunca mais voltar. Pra quê, se seus pertences estavam todos perdidos, destruídos ou roubados? A casa estava no comando dos invasores.

A festa ainda continua e muito bem sucedida. Franco ainda está no comando, mas ameaça sair. Quem se importa? Mesmo que não haja liderança, a festança sempre estará uma maravilha. Mesmo que a casa esteja toda em frangalhos, totalmente arruinada. 

Há quem garanta que a festa nunca irá acabar e ainda poderá ser mais incrementada. Quem viver, verá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Adversários tradicionais e críticos recíprocos uns dos outros, "espíritas" e neo-pentecostais se unem na onda de ódio conservador

Um fenômeno interessante acontece no Brasil de hoje. Dois grupos religiosos conservadores, mas que se acostumaram a criticar um ao outro, resolveram se unir, sem assumir nem perceber, sob o mesmo ponto de vista equivocado nesta triste onda de ódio neo-conservador. Bom lembrar que ambos se consideram "do bem" e falam "em nome do amor".
Tanto os espíritas (de Allan Kardec), os "espíritas" (de Chico Xavier) e os neo-pentecostais e alguns evangélicos em geral, assumiram uma postura altamente preconceituosa contra pessoas que defendem ideais progressistas e uma maior justiça social. 
Não raramente agem de forma agressiva, lançam mão de calúnias e difamações e demonstram indispostos a qualquer foma de diálogo, acusando seus opositores sob o mais repugnante falso testemunho, provando que dependendo dos interesses, as lições de Jesus, mestre de ambas as tendências, podem ser literalmente jogadas no lixo.
Para legitimar sua agressividade ignorante, resultante da …