Pular para o conteúdo principal

Espiritismo Ateu ou Ateísmo Espírita: uma realidade

Muita gente estranha esta ideia de ateísmo espírita porque se acostumaram a associar a imaterialidade a religiosidade. Talvez por acreditarem que os espíritos sejam divindades, o que justifica o teor igrejista das mensagens supostamente psicografadas. 

O "Espiritismo" brasileiro, uma colcha de retalhos construída sobre uma base católica, sempre passou a ideia de que era uma seita religiosa, com direito a divindades encarnadas (??!!!) personificadas pelas suas lideranças, além das desencarnadas, representadas por aqueles que são chamados de "espíritos superiores".

As obras de Kardec desmontam este igrejismo que no fundo não passa e uma revisão do Catolicismo em que se reconhece a possibilidade de reencarnações e a comunicação com os mortos. Espíritos e reencarnações são fatos passíveis de serem estudados pela ciência, mas não da forma que é feito no "Espiritismo" brasileiro, irracional na prática e que só usa a ciência e a suposta "fé raciocinada" (como eles chamam a sua fé cega) para autenticar os absurdos em que acreditam.

Raciocinando profundamente não com a "fé", mas com a razão, a gente percebe que não existe divindades e que a existência de uma vida em outra dimensão, em outros estados da matéria e da não-matéria não depende de um deus, uma divindade ou de uma individualidade.

Os espíritos haviam dado uma pista de que o ateísmo espírita é uma realidade quando responderam a sensata pergunta de Allan Kardec, "o QUE é Deus". A resposta foi anda mais sábia:

- "Inteligência suprema, causa primária de todas as coisas".

Onde é que está escrito nesta frase que existe uma pessoa, uma individualidade ou um ser que vive de nos dar ordens e quer que sejamos seu escravos? A frase é bem clara em afirmar que o que conhecemos como "Deus" não e uma individualidade e sim um conjunto de fatores. A palavra "causa" foi muito bem utilizada, além do conectivo "que", propondo que "Deus" seja na verdade a execução do sistema de leis da natureza, algo que nunca será descoberto pelas religiões (sempre especulativas) e sim pelas ciências, sobretudo a física, a astronomia, a química e a biologia.

O que o Divaldo Franco disse recentemente que "Deus" era "um ser humano do sexo masculino" e que isso estaria "perfeitamente certo" é um engodo igrejista, uma importação católica. A ciência vai contra isso, pois se formos a fundo na lógica comprovaremos a impossibilidade desta definição. Mas como Divaldo é um deturpador, e um dos responsáveis da que podemos chamar de Igreja Espírita (algo totalmente anti-kardeciano), não devemos levar a sério a sua declaração feita, não por coincidência, quando ele foi conversar com o Papa Francisco, maior liderança do Catolicismo. 

O Espiritismo surgiu para ser uma ciência. Os estados diferentes da matéria, a não-matéria e os seres que habitam nestas dimensões mereciam uma disciplina que os estudasse. Mas desde as deturpações do filósofo de formação católica Jean Baptiste Roustaing, passando por todos os equívocos praticados pelo "Espiritismo" brasileiro, a racionalidade científica da doutrina foi totalmente descartada, substituída por uma seita desonesta que usa a fé cega para satisfazer o interesse de suas lideranças supostamente "divinas".

Está mais do que na hora de aniquilarmos todos esses erros e mitos (incluindo lideranças "respeitáveis"), que de maneira irresponsável vem brincando com a espiritualidade sem o menor conhecimento, gerando muita incompreensão e danos e impedindo a evolução espiritual da humanidade.

O ateísmo espírita chega para devolver o interesse científico à doutrina, estimulando o questionamento, a análise e a pesquisa, eliminando a preguiça intelectual que faz com que seus seguidores aceitem qualquer bobagem com verdade absoluta, construindo suas vidas sobre essa areia movediça da fé "raciocinada" sem raciocínio.

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Vai ficar complicado para Divaldo Franco após o caso da farinata de João Dória

Embora todos estão com um cuidado detalhado para tentar proteger Divaldo Franco de sua reputação após ceder o evento que lidera, o "Você e a Paz" para o lançamento do estranho alimento conhecido como "farinata", não há um argumento lógico que preserve toda a mitologia construída em torno do líder "espírita" e suposto médium.
Analisamos algumas hipóeteses que poderiam servir de justificativa para alguém considerado como uma divindade viva, com embutidas qualidades de sabedoria perfeita e bondade infinita, embora a prática tenha provado que tais qualidades senão inexistentes, residem no suposto médium de forma rudimentar.
Vamos imaginar algumas situações e verificaremos que em nenhuma delas Divaldo consegue salvar a sua reputação de "perfeição máxima", tendo se conformar com o prestígio de uma mera liderança que é simpática a seus seguidores.
1. Divaldo não conhecia João Dória e sua farinata: - Mito derrubado: o de paranormal conhecedor de tudo
Div…