Pular para o conteúdo principal

Desigualdade das riquezas é problema, não solução. Sair dela é que evoluí o espírito

As religiões vivem glamorizando a dor. Para elas a dor purifica a alma. Mas vá dizer isso a alguém no mais doloroso sofrimento. Dor nunca é algo agradável.

Na verdade, a dor é um alerta de que algo está errado. Dor nenhuma é benéfica. O que purifica é a tentativa de sair dela. A dor impulsiona porque é os omentos que queremos livrar dela é que buscamos as soluções que irão eliminá-la. E esta mesma busca nos ajuda a desenvolver qualidades e aptidões. O mesmo se dá com a desigualdade das riquezas.

Na onda de neodireitismo que é cada vez mais comum nas edes sociais devido ás decepções cada vez mais crescentes com os governos petistas, tidos erroneamente como "autenticamente socialistas", vários espíritas estão usando o capitulo que fala das desigualdades das riquezas para defender o Capitalismo e ideais de direita, todos avessos à caridade e ao altruísmo, defendendo que o bem estar deve pertencer a uma minoria que - supostamente - luta por ele. 

Se esquecem esses espíritas que o Espiritismo autenticamente kardeciano tem como lema principal "fora da caridade não há salvação". Das duas uma: ou os espíritas de direita não querem ser salvos ou caridade para eles é dar esmolas, sustentar ONGs fajutas ou pagar mísero salário mínimo a empregados, com valores que não permitem a dignidade e a satisfação das necessidades mais básicas.

Para estes espíritas de direita, legal mesmo é competir, é chutar o concorrente para longe e pegar todo o lucro que estiver ao alcance e tomar para si, gastando com bobagens supérfluas daquelas que todo rico considera prioritárias. 

Se o outro não possui o necessário, morrendo de fome, foi por preguiça. Certamente a "preguiça" de não se adequar as exigências absurdas feitas pelo cada vez mais ganancioso mercado de trabalho, cujas regras são feitas pelos mesmos "vencedores" que passam por cima dos concorrentes. Se Dick Vigarista existisse na realidade, seria um capitalista e sus planos esdrúxulos sempre dariam certo.

Idiotice de direita! Na verdade o que Kardec quis dizer é que a desigualdade das riquezas, como uma causa de sofrimento, serve para impulsionar os menos afortunados a lutarem por melhores condições. Desigualdade de riquezas é sinal claro de ganância e egoísmo, defeitos graves - pais de outros muitos defeitos humanos - e consequentemente uma prova de que ainda estamos bem atrasados na evolução, ainda incapazes de saber viver com outros seres humanos.

Essa forma de pensamento direitista coincide com uma época em que amamos cada vez menos as outras pessoas, referindo colocar objetos, animais, divindades e até times de futebol no lugar de pessoas para colocarmos o nosso afeto. Estamos cada vez mais desconfiados e exigentes com os outros, se revoltando a menor discordância.

Obviamente, este clima de desconfiança mútua e insensibilidade burra favorece que uma ideologia política que desvaloriza pessoas em prol do lucro financeiro, se importando mais com a sobrevivência de empresas de de pessoas, seja cada vez mais valorizada, indo totalmente contra o que o verdadeiro Espiritismo não cansa de nos ensinar: que estamos aqui para aprendermos a nos tolerar e a nos ajudar, atitudes básicas que constroem aquilo que chamamos verdadeiramente de caridade.

Se fora da caridade não há salvação, sinto dizer que vocês, capitalistas, não estarão salvos. Voltarão em condições de miséria para conhecerem aquilo que vocês não conseguem entender.

Mas não se preocupem. Sociedades mais desenvolvidas estão tentando resolver a problemática da má distribuição de renda. Brasileiros, membros de um povo egoísta, imaturo e ignorante, irão resolver em um futuro bem remoto. Pois somente mentes atrasadas e irracionais conseguem ver evolução no animalesco ato de impedir o acesso de outras pessoas ao mais básico bem estar social.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Adversários tradicionais e críticos recíprocos uns dos outros, "espíritas" e neo-pentecostais se unem na onda de ódio conservador

Um fenômeno interessante acontece no Brasil de hoje. Dois grupos religiosos conservadores, mas que se acostumaram a criticar um ao outro, resolveram se unir, sem assumir nem perceber, sob o mesmo ponto de vista equivocado nesta triste onda de ódio neo-conservador. Bom lembrar que ambos se consideram "do bem" e falam "em nome do amor".
Tanto os espíritas (de Allan Kardec), os "espíritas" (de Chico Xavier) e os neo-pentecostais e alguns evangélicos em geral, assumiram uma postura altamente preconceituosa contra pessoas que defendem ideais progressistas e uma maior justiça social. 
Não raramente agem de forma agressiva, lançam mão de calúnias e difamações e demonstram indispostos a qualquer foma de diálogo, acusando seus opositores sob o mais repugnante falso testemunho, provando que dependendo dos interesses, as lições de Jesus, mestre de ambas as tendências, podem ser literalmente jogadas no lixo.
Para legitimar sua agressividade ignorante, resultante da …