Pular para o conteúdo principal

Qual a função de Allan Kardec no Espiritismo brasileiro?

Apesar das deturpações, da má compreensão, da falta de leitura e de pesquisas estacionadas, os pseudo-espíritas brasileiros são "educados" a se auto-rotularem de "kardecistas", com um certo orgulho, como se o rótulo pudesse compensar o desprezo total pelas ideias apresentadas na codificação.

Para os brasileiros que pensam ser o Espiritismo essa forma gororobizada de Catolicismo que acredita - crença, não conhecimento - em reencarnação, Kardec nao vai muito além de um mero nome a servir de cartório para autentificar os dogmas de fé cega instalados nesta forma estranha de Espiritismo praticada no Brasil.

Poderia ser desnecessária toda essa bajulação a Kardec já que o prestígio dado a Chico Xavier, o maior deturpador da doutrina e um católico fervoroso e praticante até o fim da vida - o que fortaleceu a permanência dos enxertos católicos colocados no início por dissidentes da igreja que fundaram a FEB - e a publicação incessante de obras "psicografadas" com novelinhas piegas sobre amor e superação bastam para os seus seguidores totalmente desinteressados em qualquer coisa que fosse REALMENTE científica.

Mas então, se a ideologia de Allan Kardec não interessa, porque falar tanto em nome dele? Ora, o cara era cientista, pedagogo, matemático, poliglota e adorava pesquisar. Nada melhor que usar o carimbo com o nome do codificador para legitimar as asneiras lançadas por muitas obras "psicografadas", sobretudo as do católico, sempre católico, eternamente católico Chico Xavier.

É como um mau profissional que precisa da carta de recomendação assinada por um profissional consagrado. É o que acontece muito na música de hoje como os medíocres da breguice gravando clássicos da MPB. Uma boa referência sempre fortalece as coisas ruins que passam a não ser vistas como ruins por causa da associação com os bons valores artificialmente agregados. 

E também é uma excelente forma de malandragem, pois estimula a preguiça - ué, preguiça não era pecado, católicos que acreditam em reencarnação? -  sobretudo a intelectual. Ótimo, sou kardecista sem ler Kardec. "Kardec é muito complicado, vou ler "Flores na Varanda" e similares e vou fingir que as ideias de Kardec estão contidas nele", diriam os pseudo-espíritas brasileiros.

Joia. Ninguém pensa, ninguém analisa, ninguém raciocina. Só acredita e ora. Maravilhoso. Toneladas e toneladas de esforços sendo dispensados justamente pelos mesmos que acreditam que preguiça é pecado. Pouca vergonha! Um pouco mais de estudo e contestação não faria mal a ninguém!

Para piorar, a FEB, Federação Espúria Brasileira teve a cara de pau de inventar um Kardec fictício, igrejista, discípulo de um fantasminha de desenho animado que seus líderes deram o nome de "Ismael", com direito a uma mensagem falsamente atribuída, que contesta radicalmente toda a obra da codificação. Como se Kardec tivesse arrependido de sua racionalidade para aderir a uma pieguice burra e irresponsável, comumente praticada pelos católicos brasileiros que se auto-rotulam de "espíritas".

Jogaram no lixo o trabalho de Allan Kardec! O nome do codificador, que sofreu horrores para trazer resultados de um complexo trabalho de pesquisa, é utilizado apenas como "carimbo" para que acreditemos que asneiras como "colônias espirituais", "crianças índigo", "animais desencarnados", "médiuns perfeitos" entre outras tolices, fazem parte da codificação e que os "mestres" que ganham muito dinheiro (pra caridade? Nããããoooo!) às custas dos trouxas sentimentais, são "espíritos superiores enviados pela divindade máxima para guiar a humanidade no caminho do bem". Bem? Só se for o bem estar desses falsos profetas do "Espiritismo" brasileiro!

Coitado de Allan Kardec, ainda o grande desconhecido para os brasileiros. Ainda vamos demorar séculos e mais séculos para entender o que ele quis dizer com sua obra. Por enquanto, ele é um mero nome a legitimar fantasias. Adiamos mais uma vez a evolução espiritual. Até quando, não sei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça os diversos tipos de espíritas

De fato, o Espiritismo não possui divisões. Ou pelo menos não deveria ter. Mas como os estudos de Kardec não foram continuados e em seu lugar apareceu a fé cega de um religiosismo irresponsável, muitas linhas acabaram surgindo, já que cada espírita ou pseudo-espírita entendeu de defender seu ponto de vista pessoal, sem usar o raciocínio para analisar friamente os pontos da doutrina. Resultado: vários tipos de "espíritas" começaram a aparecer, cada um com seu interesse próprio.
Listo aqui os tipos de espíritas e pseudo-espíritas que existem com base no que observei. Cada tipo é seguido por um comentário meu. Antes que gere qualquer polêmica, eu repito: é com base em observações que eu fiz. Apesar de eu ter usado a lógica para definir cada uma, pode aparecer alguém que discorde. Que cada um faça a sua lista. Agora, vamos a minha lista.
Espírita Original, Espírita Verdadeiro ou Espírita Kardecista - São os espíritas originais ou verdadeiros, fiéis às obras da codificação e que pr…

Robson Pinheiro exalou ódio onde deveria haver amor

Há um lema nas religiões cristãs que pede para não julgar. Robson Pinheiro, médium que escreveu vários livros de relativo sucesso, resolveu ignorar esta máxima e escreveu livros que demonstram um ódio irresponsável anti-esquerda acusando de criminosos, sem análise, sem provas e sem ouvir o outro lado, políticos democráticos, mas alheios a suas convicções pessoais, numa atitude de fazer Jesus de Nazaré ficar com imensa vergonha.
Após escrever o verdadeiro lixo literário O Partido, na tentativa de "jogar na conta dos espíritos" a mentira infelizmente difundida e repetida, nos moldes do nazista Goebbels, que criminaliza os integrantes do Partido dos Trabalhadores e aliados. Este livro já foi o suficiente para dar a sua "contribuição divina" para estragar a reputação da esquerda e Pinheiro quis mais. Escreveu outro que sugere que o Foro de São Paulo, grupo que reúne os esquerdistas do estado, seja uma máfia. 
Robson Pinheiro, além de demonstrar completo desconheciment…

Adversários tradicionais e críticos recíprocos uns dos outros, "espíritas" e neo-pentecostais se unem na onda de ódio conservador

Um fenômeno interessante acontece no Brasil de hoje. Dois grupos religiosos conservadores, mas que se acostumaram a criticar um ao outro, resolveram se unir, sem assumir nem perceber, sob o mesmo ponto de vista equivocado nesta triste onda de ódio neo-conservador. Bom lembrar que ambos se consideram "do bem" e falam "em nome do amor".
Tanto os espíritas (de Allan Kardec), os "espíritas" (de Chico Xavier) e os neo-pentecostais e alguns evangélicos em geral, assumiram uma postura altamente preconceituosa contra pessoas que defendem ideais progressistas e uma maior justiça social. 
Não raramente agem de forma agressiva, lançam mão de calúnias e difamações e demonstram indispostos a qualquer foma de diálogo, acusando seus opositores sob o mais repugnante falso testemunho, provando que dependendo dos interesses, as lições de Jesus, mestre de ambas as tendências, podem ser literalmente jogadas no lixo.
Para legitimar sua agressividade ignorante, resultante da …